Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos da Nathy ®. ❀

29
Abr15

Glória Mortal... eu li 30.

Nathy ღ

Livros Matina e JD Robb.jpg

Nora Roberts, é uma escritora que leva-me facilmente pelas suas histórias cativantes e viciantes, adoro os seus livros. Sendo ela, uma expert em trilogias, e eu uma apreciadora de trilogia, a coisa resulta bem. A realidade é que não conhecia a Nora na pele de  J. D. Robb. Julgo que foi a Magda que falou-me a primeira vez dos livros da Nora escritos com um pseudónimo. Adquirir o pelo menos um exemplar era certo. Não pus em causa a minha apreciação, o mais certo seria gostar, ainda que, seja diferente do que até então conhecia desta escritora.

 

Este livro levou-me numa viagem até futuro, 2058 mais propriamente. É o primeiro livro que leio deste género. Relembrou-me um filme que vi um pouco antes de começar a desfolhar este livro. Na visão de J. D. Robb o futuro reserva um mundo muito recorrente à tecnologia. Droides que fazem o trabalho das pessoas, casas que são abertas recorrentes à voz e impressões digitais, teleligações, um género de chamadas de vídeo, que anulam a chamadas telefónicas... máquinas para tudo um pouco.

 

Por outro lado este livro é um policial futurista (ou policial do fantástico, talvez se adeqúe melhor). Polícias é um dos géneros que recorro quando quero ler algo que puxe um pouco por mim, que ponha a minha cabeça em alvoroço. Adoro policiais.

 

Gloria Mortal é o segundo livro da serie Murtal, sendo que Nudez Mortal é o primeiro livro da serie (que entretanto ainda irei ler). Estes livros têm como personagens principais Eve e Roarke. Eve é a tenente da polícia de Nova Iorque, encarregue de investigar dois crimes que parecem estar ligados. Duas mulheres foram encontradas mortas, a primeira numa rua escura e perigosa e segunda na sua própria casa. Duas mulheres poderosas, que "coleccionam" um rol de homens que poderiam, eventualmente, ter cometido o crime. Um deles Roarke, que acaba sempre por ser ligado às vítimas.

 

Eve, enquanto policia tem que explorar todas a opções, sendo Roarke uma delas. Apesar de confiar no homem com quem mantem uma relação vê-se obrigada a envolve-lo na investigação. Faça Eve o que fizer o nome Roarke vem sempre à tona. No decorrer da investigação a relação é colocada à prova.

 

Um policial aliado ao romance tem todos os ingredientes para resultar. Adorei.

18198727_d3VnM.png

Pela primeira vez, todos os membros do Clube leram o mesmo livro.

Passa no cantinho da MagdaM* e Sofia Margarida, disfruta!

 

Boas leituras :D

 

26 comentários

Comentar post